Número total de visualizações de página

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Feliz Natal!



sexta-feira, 29 de novembro de 2013

9ºH





quinta-feira, 28 de novembro de 2013

No âmbito da Comemoração do Dia Mundial da Luta contra a Sidavai realizar-se um rastreio com a carrinha do CAD (Centro de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH) no dia 4 de Dezembro, entre as 10 - 17 horas em frente à Câmara da Maia. 

Os rastreios são gratuitos e confidenciais.





Em 2012 iniciou-se a campanha "Papel por Alimentos". O papel angariado (jornais, revistas, folhetos, etc.) é convertido em produtos alimentares para quem mais precisa que são depois distribuídos pelos Bancos Alimentares Contra a Fome a Instituições de Solidariedade Social.

Esta campanha é uma oportunidade para que cada um de nós, apenas com um pequeno gesto, possa desempenhar um papel essencial na luta contra fome, contribuindo ao mesmo tempo para a proteção da natureza. Por cada tonelada de papel angariado é entregue pela empresa Quima o equivalente a 100€ em produtos alimentares básicos.

TODOS PODEMOS PARTICIPAR!

Mas qual o tipo de papel que pode ser recolhido?

Jornais/revistas
Fotocópias
Papel de rascunho
Impressos e folhetos publicitários
Envelopes
Papel de fax
Papéis timbrados
Arquivos mortos
Cartão e papelão

E qual o tipo de papel que não é aceite?

Papeis plastificados
Papeis metalizados
Papeis parafinados, papel vegetal, fotografias
Fitas adesivas

Onde podes depositar/entregar o teu papel?

Nos pavilhões, na Biblioteca e em diversos pontos da escola, encontrarás caixas devidamente identificadas para o efeito.

VAMOS GANHAR MAIS ESTE DESAFIO!

PARTICIPA.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Pedro Miguel Eira; Rafael Castro; Rui Pereira; Rui Andrade 
9ºH


domingo, 3 de novembro de 2013

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Violência


Nosso mundo hoje

O mundo está perdido!
Tantas mortes e destruição.
Tantos estragos e poluição.
Tanta gente de fome morrendo.
Tantos animais extinguindo-se e desaparecendo.
Tanta gente rica que não reparte com ninguém.
Tantos problemas que os governos têm.
Tantas guerras arrasando nações.
Tantos acidentes, tantas explosões.
Tantas pessoas analfabetas, tantas sem onde morar.
Tantos adoecendo, sem remédio para se tratar.

O ser humano perdeu a razão.
Se afogou na própria ambição


Ana Henrique

Violência


Eu já fui vítima de violência, e não foi nada agradável, muito pele contrário, foi péssimo.

Quando era pequena, praticamente todos os dias, quando ia para a escola na carrinha do infantário, um rapaz dizia-me, que naquele dia era a minha amiga a quem ele ia bater, mas de um momento para o outro dizia que ia ser eu. Eu ficava com medo e dizia-lhe que ele tinha dito que ia ser ela e não eu. Quando estávamos na escola, meio da tarde, ele vinha ter comigo, ria-se e começava a bater-me. As pessoas à minha volta não faziam nada, simplesmente olhavam e apoiavam. Quando eu ia pedir ajuda às professoras elas faziam-me uma festa na cabeça e diziam que iam falar com ele. Eu ficava melhor, mas sempre com receio que ele me batesse de novo.

Noutros dias eu via a minha amiga a sofrer nas mãos dele mas e, com medo, nunca pude fazer nada. Sentia-me triste e ao mesmo tempo contente por não ser eu no lugar dela. A situação continuava igual, ninguém fazia nada nem mesmo os professores. Então a minha mãe foi á escola, falar com a professora para saber o porquê de as coisa continuarem na mesma. Quando chegou a casa disse-me que a professora não podia fazer nada porque ele tinha problemas de cabeça. Parecia que ninguém podia fazer nada, mas ele podia continuar. Como a minha mãe tinha ido à escola, a professora falou com ele, mas as coisas pioraram; ele aproximou-se de mim, eu estava com uma amiga em quem eu confiava; ele agarrou o meu cabelo e puxou; com toda a força que tinha; eu quase caí. Pedi ajuda à minha amiga mas, ignorou-me e dizia-me para eu a largar. Desde esse dia nunca mais confiei e ninguém e só mostrava o meu lado frio. Então sempre que algum rapaz ou rapariga se aproximava demais de mim eu partia para a violência, como se eles fossem aquele rapaz.

Agora eu sei, essa maneira de pensar estava muito errada, pois se não quero que as pessoas sofram como eu e se não quero que eles se afastem de mim, eu esforço-me ao máximo para evitar a violência física e principalmente a verbal, que pode magoar muito mais. 

Sofia Sousa  

Sentimentos

"A vida tem várias balanças; hora vivemos a euforia, hora a reflexão: uma não existe sem a outra."

Violência


Violência


Eu lembro-me de tudo
De tudo que me fizeram
Ia para a escola mudo
Fazia-me de invisível
Com o carapuço na cabeça
Esperava que não olhassem
Andava com os olhos no chão
De um jeito curvado, envergonhado

Escondia os braços de todos
Escondia as lágrimas de todos
Alguma vez se perguntaram
Quanto é que eu aguentava
A humilhação, a dor
As marcas no corpo
Todo o dia esperava
A hora de ir para casa

Ao fim deste tempo todo
Ainda me lembro da infância
A infância nunca vivida
A adolescência corrompida

Passou tudo tão rápido
Eu não posso mudar o passado
Por favor perdoem-me
Eu não vos posso perdoar

Eu sempre me vou lembrar
De tudo que me fizeram

Daniel Pinto

Violência


Sou aquele miúdo tímido
Que nunca fala com ninguém
Sou aquela rapariga pobre
Que usa roupas velhas
Sou aquele rapaz gago
Que não consegue falar
Sou aquela rapariga forte
Que se odeia ao espelho

Eu sei o que é
Adormecer a chorar
Agarrado á almofada
Ao único conforto do dia

Não gozem comigo
Não se riam de mim
Não me magoem
Lá no fundo
Somos iguais

Somos altos, somos baixos
Somos magros, Somos gordos
Somos ricos, Somos pobres
Somos homens, somos mulheres
E somos todos iguais

Não tem que ser amigos
Não tem que gostar de mim
Por favor não se divirtam
Com o meu sofrimento

Daniel Pinto

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Prazos adiados

Foram adiados para 28 de Fevereiro de 2013 os prazos de entrega dos trabalhos do Concurso de Fotografia: "Sentimentos" e do Concurso literário: "Violência".

Ainda podes participar!

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Escolhe viver sem drogas!


quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

http://www.pordata.pt/

Dados Estatísticos Importantes

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Será que vale a pena?


Cigarro? Para quê?


sábado, 12 de janeiro de 2013

"O Beijo"

"O Beijo" de Gustav Klimt


quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Regulamento do Concurso de Fotografia



“SENTIMENTOS”

ENQUADRAMENTO
O concurso “SENTIMENTOS” é um concurso de fotografia integrado no Projeto Promoção da Saúde do Agrupamento de Escolas de Águas Santas, aberto à participação de todos os alunos do 5º ao 12º ano de escolaridade. A fotografia pelo prazer de captar e fixar imagens está ao alcance de todos e é uma forma de expressão artística dinâmica. 

CAPÍTULO I
OBJETIVOS
1.1. O concurso tem como objetivos sensibilizar os jovens para a existência de diversas formas de sentimentos e para a capacidade de observação do meio que os rodeia, incentivando-os a desenvolver e a valorizar competências técnicas e de criatividade no âmbito da fotografia.
1.2 Todos os trabalhos a concurso serão expostos na Biblioteca da Escola.

CAPÍTULO II
CONCORRENTES
1. Os concorrentes podem apresentar-se individualmente ou em equipas. Cada equipa deverá ser constituída até ao limite máximo de 2 participantes.
2. Cada participante – individualmente ou em equipa - poderá apresentar até dois trabalhos em fotografia.
  
CAPÍTULO III
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACESSO
1. Os participantes deverão apresentar as fotografias com as seguintes especificidades:
I – As fotografias a cor ou a preto e branco terão como tema “Sentimentos”.
II – As fotografias deverão ter o formato mínimo de 15x20 e o máximo de 30x40.
III – Cada fotografia deverá ter inscrito no verso um título que exprima o significado da imagem.
IV – Cada fotografia deve ser acompanhada de uma memória descritiva onde conste o título da fotografia e uma breve descrição do local, a data em que foi feito o registo fotográfico e /ou a razão da sua apresentação a concurso.

CAPÍTULO IV
ENTREGA DOS TRABALHOS
1. Os trabalhos devem ser entregues até ao dia 31 de janeiro de 2013 na Biblioteca da Escola.
2. Os concorrentes devem apresentar:
- as fotografias e respetivas memórias descritivas em envelope fechado onde conste no exterior o nome do concorrente ou o nome da equipa concorrente e a menção: Concurso “SENTIMENTOS”.

CAPÍTULO V
JÚRI
1. As fotografias serão apreciadas por um júri a definir o qual deliberará até dia 15 de fevereiro.
2 O Júri reserva-se o direito de não atribuir prémios se a falta de qualidade dos trabalhos o justificar e atribuir prémios ex aequo.
4. Da decisão do Júri não cabe reclamação.
5. Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos por deliberação do júri.

CAPÍTULO VI
PRÉMIOS
1. Serão atribuídos prémios aos 3 concorrentes/equipas melhor classificados.
2. Todos os concorrentes receberão um certificado de participação.
3. Os prémios para as equipas serão divididos em partes iguais pelos membros das equipas.
4. Os concorrentes premiados serão avisados através de notificação ao Diretor da turma à qual pertencem os vencedores.

Regulamento do Concurso LITERÁRIO


“VIOLÊNCIA”

ENQUADRAMENTO
O concurso VIOLÊNCIA é um concurso literário integrado no Projeto Promoção da Saúde do Agrupamento de Escolas de Águas Santas, aberto à participação de todos os alunos do 5º ao 12º ano de escolaridade. A escrita pelo prazer de exprimir sentimentos e alertar para o que nos rodeia está ao alcance de todos e é uma forma de expressão artística dinâmica. 

CAPÍTULO I
OBJETIVOS
1.1. O concurso tem como objetivos sensibilizar os jovens para a existência de diversas formas de violência e para a capacidade de observação do meio que os rodeia incentivando-os a desenvolver e a valorizar competências técnicas e de criatividade no âmbito da escrita.
1.2 Todos os trabalhos a concurso serão expostos/divulgados na Biblioteca da Escola.

CAPÍTULO II
CONCORRENTES
1. Os concorrentes podem apresentar-se individualmente ou em equipas. Cada equipa deverá ser constituída até ao limite máximo de 2 participantes.
2. Cada participante – individualmente ou em equipa - poderá apresentar até dois trabalhos.
  
CAPÍTULO III
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACESSO
1 - São admitidas a concurso as produções escritas em Português nas seguintes modalidades:
a) Poema;
b) Prosa.   
2 - Os participantes deverão apresentar os textos/poemas com as seguintes especificidades:
I – O poema não deverá exceder 1 página A4 com espaço e meio entre linhas, com tipo de letra Arial, tamanho 11.
II – O trabalho em prosa deverá ter até 2 páginas A4 com espaço e meio entre linhas, com tipo de letra Arial, tamanho 11. Todas as margens da página devem ser de 2 cm.

CAPÍTULO IV
ENTREGA DOS TRABALHOS
1. Os trabalhos devem ser entregues até ao dia 31 de janeiro de 2013 na Biblioteca da Escola.
2. Os concorrentes devem apresentar os trabalhos em envelope fechado onde conste no exterior o nome do concorrente ou o nome da equipa concorrente e a menção: Concurso Literário “VIOLÊNCIA”.
3 – Os trabalhos deverão também ser entregues em formato digital. Para tal, deverão ser enviados para o email gps.aescas@gmail.com.

CAPÍTULO V
JÚRI
1. Os textos serão apreciados por um júri a definir o qual deliberará até dia 15 de fevereiro.
2 O Júri reserva-se o direito de não atribuir prémios se a falta de qualidade dos trabalhos o justificar e atribuir prémios ex aequo.
4. Da decisão do Júri não cabe reclamação.
5. Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos por deliberação do júri.

                                                                     CAPÍTULO VI
PRÉMIOS
1. Serão atribuídos prémios aos 3 concorrentes/equipas melhor classificados.
2. Todos os concorrentes receberão um certificado de participação.
3. Os prémios para as equipas serão divididos em partes iguais pelos membros das equipas.
4. Os concorrentes premiados serão avisados através de notificação ao Diretor da turma à qual pertencem os vencedores.


 
 
ANOREXIA E BULIMIA: UM PROBLEMA DA NOSSA SOCIEDADE.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Prevenção contra o Tabaco

 
Não Fumes!
Fumar Mata
 
 
 
 

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

TABAGISMO


Deixar de fumar






Porque devo deixar de fumar?

Em primeiro lugar, por uma questão de saúde. Parar de fumar diminui o risco de morte prematura. Os ex-fumadores vivem em média mais anos do que os fumadores e reduzem o risco de virem a sofrer de uma doença cardiovascular, de cancro ou de doenças respiratórias graves e incapacitantes.
Vale a pena parar de fumar em qualquer idade. Os benefícios são tanto maiores, quanto mais cedo se parar de fumar.
Quais são os benefícios de deixar de fumar?
  • Após oito horas, os níveis de monóxido de carbono no organismo baixam e os de oxigénio aumentam;
  • Passadas 72 horas, a capacidade pulmonar aumenta e a respiração torna-se mais fácil;
  • Com cinco anos de abstinência do tabaco, o risco de cancro da boca e do esófago é reduzido para metade;
  • Ao final de dez anos, o risco de cancro do pulmão é já metade do verificado em fumadores, e o de outros cancros diminui consideravelmente.
  • Após 15 anos de abstinência, o risco de doença cardiovascular é igual ao de um não fumador do mesmo sexo e idade.
A aparência renovada, o hálito mais fresco, o travar do envelhecimento precoce e a poupança económica são fatores adicionais que podem motivar a sua decisão.

Como devo proceder?
Deixar de fumar pode ser difícil. Tratando-se de um hábito com dependência física e psíquica, os sintomas de privação do tabaco nem sempre se conseguem ultrapassar sem ajuda. Planeie a sua decisão calmamente e, se necessário, recorra a apoio médico. Envolva família, amigos e colegas de trabalho no processo.

Onde posso encontrar ajuda?

Consulte o seu médico de família. Ele poderá indicar-lhe medicamentos (alguns de venda livre), cuja utilização duplica o grau de sucesso de parar de fumar, recomendar-lhe apoio psicológico ou encaminhá-lo para as consultas de cessação tabágica, disponíveis em vários pontos do país.

Conselhos úteis

Querer deixar de fumar e decidir fazê-lo são os passos mais importantes. Mas passar à prática exige esforço e auto-disciplina. Algumas rotinas poderão facilitar a tarefa:
  • Fixe um dia para deixar de fumar. O estabelecimento de uma data ajuda a criar um sentimento de compromisso.
  • Anuncie aos outros a sua decisão. Envolver os que lhe são mais próximos garante-lhe apoio e solidariedade.
  • Identifique os seus hábitos tabágicos. Saber em que circunstâncias fuma habitualmente permite-lhe criar estratégias para contorná-las.
  • Elabore uma lista de motivos para deixar de fumar e releia-a sempre que pensar em desistir.
  • Aprenda a reagir à vontade de fumar. Os momentos em que sente grande desejo de voltar a fumar duram apenas alguns minutos.
  • Faça uma alimentação saudável. Se a sua preocupação é o ganho de peso associado ao abandono do tabaco, procure substituir as gorduras, o açúcar e os alimentos ricos em sal por saladas, frutas e legumes.
  • Tente evitar a proximidade de fumadores, bem como os cigarros e todos os objetos relacionados com o hábito de fumar.
  • Pratique atividade física. Não só contribui para uma boa forma física, como ajuda a combater a ansiedade e as alterações de humor próprias dos ex-fumadores.
  • Com o dinheiro que poupar no tabaco, ofereça-se uma prenda que deseje há muito tempo.
  • Se não conseguir à primeira, nada está perdido. A recaída faz parte do processo de mudança. Marque uma nova data e volte a tentar.