Número total de visualizações de página

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Violência


Nosso mundo hoje

O mundo está perdido!
Tantas mortes e destruição.
Tantos estragos e poluição.
Tanta gente de fome morrendo.
Tantos animais extinguindo-se e desaparecendo.
Tanta gente rica que não reparte com ninguém.
Tantos problemas que os governos têm.
Tantas guerras arrasando nações.
Tantos acidentes, tantas explosões.
Tantas pessoas analfabetas, tantas sem onde morar.
Tantos adoecendo, sem remédio para se tratar.

O ser humano perdeu a razão.
Se afogou na própria ambição


Ana Henrique

Violência


Eu já fui vítima de violência, e não foi nada agradável, muito pele contrário, foi péssimo.

Quando era pequena, praticamente todos os dias, quando ia para a escola na carrinha do infantário, um rapaz dizia-me, que naquele dia era a minha amiga a quem ele ia bater, mas de um momento para o outro dizia que ia ser eu. Eu ficava com medo e dizia-lhe que ele tinha dito que ia ser ela e não eu. Quando estávamos na escola, meio da tarde, ele vinha ter comigo, ria-se e começava a bater-me. As pessoas à minha volta não faziam nada, simplesmente olhavam e apoiavam. Quando eu ia pedir ajuda às professoras elas faziam-me uma festa na cabeça e diziam que iam falar com ele. Eu ficava melhor, mas sempre com receio que ele me batesse de novo.

Noutros dias eu via a minha amiga a sofrer nas mãos dele mas e, com medo, nunca pude fazer nada. Sentia-me triste e ao mesmo tempo contente por não ser eu no lugar dela. A situação continuava igual, ninguém fazia nada nem mesmo os professores. Então a minha mãe foi á escola, falar com a professora para saber o porquê de as coisa continuarem na mesma. Quando chegou a casa disse-me que a professora não podia fazer nada porque ele tinha problemas de cabeça. Parecia que ninguém podia fazer nada, mas ele podia continuar. Como a minha mãe tinha ido à escola, a professora falou com ele, mas as coisas pioraram; ele aproximou-se de mim, eu estava com uma amiga em quem eu confiava; ele agarrou o meu cabelo e puxou; com toda a força que tinha; eu quase caí. Pedi ajuda à minha amiga mas, ignorou-me e dizia-me para eu a largar. Desde esse dia nunca mais confiei e ninguém e só mostrava o meu lado frio. Então sempre que algum rapaz ou rapariga se aproximava demais de mim eu partia para a violência, como se eles fossem aquele rapaz.

Agora eu sei, essa maneira de pensar estava muito errada, pois se não quero que as pessoas sofram como eu e se não quero que eles se afastem de mim, eu esforço-me ao máximo para evitar a violência física e principalmente a verbal, que pode magoar muito mais. 

Sofia Sousa  

Sentimentos

"A vida tem várias balanças; hora vivemos a euforia, hora a reflexão: uma não existe sem a outra."

Violência


Violência


Eu lembro-me de tudo
De tudo que me fizeram
Ia para a escola mudo
Fazia-me de invisível
Com o carapuço na cabeça
Esperava que não olhassem
Andava com os olhos no chão
De um jeito curvado, envergonhado

Escondia os braços de todos
Escondia as lágrimas de todos
Alguma vez se perguntaram
Quanto é que eu aguentava
A humilhação, a dor
As marcas no corpo
Todo o dia esperava
A hora de ir para casa

Ao fim deste tempo todo
Ainda me lembro da infância
A infância nunca vivida
A adolescência corrompida

Passou tudo tão rápido
Eu não posso mudar o passado
Por favor perdoem-me
Eu não vos posso perdoar

Eu sempre me vou lembrar
De tudo que me fizeram

Daniel Pinto

Violência


Sou aquele miúdo tímido
Que nunca fala com ninguém
Sou aquela rapariga pobre
Que usa roupas velhas
Sou aquele rapaz gago
Que não consegue falar
Sou aquela rapariga forte
Que se odeia ao espelho

Eu sei o que é
Adormecer a chorar
Agarrado á almofada
Ao único conforto do dia

Não gozem comigo
Não se riam de mim
Não me magoem
Lá no fundo
Somos iguais

Somos altos, somos baixos
Somos magros, Somos gordos
Somos ricos, Somos pobres
Somos homens, somos mulheres
E somos todos iguais

Não tem que ser amigos
Não tem que gostar de mim
Por favor não se divirtam
Com o meu sofrimento

Daniel Pinto

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Prazos adiados

Foram adiados para 28 de Fevereiro de 2013 os prazos de entrega dos trabalhos do Concurso de Fotografia: "Sentimentos" e do Concurso literário: "Violência".

Ainda podes participar!